Busy. Please wait.
or

show password
Forgot Password?

Don't have an account?  Sign up 
or

Username is available taken
show password

why


Make sure to remember your password. If you forget it there is no way for StudyStack to send you a reset link. You would need to create a new account.
We do not share your email address with others. It is only used to allow you to reset your password. For details read our Privacy Policy and Terms of Service.


Already a StudyStack user? Log In

Reset Password
Enter the associated with your account, and we'll email you a link to reset your password.

Remove Ads
Don't know
Know
remaining cards
Save
0:01
To flip the current card, click it or press the Spacebar key.  To move the current card to one of the three colored boxes, click on the box.  You may also press the UP ARROW key to move the card to the "Know" box, the DOWN ARROW key to move the card to the "Don't know" box, or the RIGHT ARROW key to move the card to the Remaining box.  You may also click on the card displayed in any of the three boxes to bring that card back to the center.

Pass complete!

"Know" box contains:
Time elapsed:
Retries:
restart all cards




share
Embed Code - If you would like this activity on your web page, copy the script below and paste it into your web page.

  Normal Size     Small Size show me how

pcivil.it3-3

Intervenção de terceiros - 3

QuestionAnswer
01. Quem é o terceiro na intervenção de terceiros? É aquele que é estranho à formação inicial do processo. O terceiro é quem, em regra, não pede e não tem pedidos formulados contra si.
02. Por que existe a necessidade da figura da intervenção de terceiros? Em regra o processo surge para produzir efeitos somente entre partes. Ocorre, algumas vezes, que a sentença pode atingir outras pessoas fora da relação jurídica. Toda vez que o terceiro for atingido ele terá legitimidade para ingressar no processo.
03. A intervenção de terceiro é um instituto do processo que permite o ingresso de pessoas diferentes das partes na relação processual. O que acontece com o terceiro depois que é aceito no processo? Em regra, o terceiro legitimado, ao ingressar no processo alheio, deixa de ser terceiro e torna-se parte, pois formulará pedidos ou terá pedidos formulados contra ele.
04. A intervenção de terceiro é um instituto do processo que permite o ingresso de pessoas diferentes das partes na relação processual. Nos juizados especiais é admitida a intervenção de terceiros? Com a entrada em vigor do NCPC, permite-se expressamente uma única modalidade de intervenção de terceiros: o incidente de desconsideração da personalidade jurídica. Também já era admitida o amicus curiae nos juizados especiais federais.
05. A intervenção de terceiro é um instituto do processo que permite o ingresso de pessoas diferentes das partes na relação processual. O que aconteceu com a nomeação à autoria no novo CPC? A nomeação a autoria deixa de existir, dando lugar a técnica da correção da legitimidade passiva
06. A intervenção de terceiro é um instituto do processo que permite o ingresso de pessoas diferentes das partes na relação processual. O que aconteceu com a oposição no novo CPC? A oposição não consta mais como intervenção de terceiro típica, tornando-se um procedimento especial, previsto no art. 682 a 686.
07. A intervenção de terceiro é um instituto do processo que permite o ingresso de pessoas diferentes das partes na relação processual. Quais foram as duas novas modalidade de intervenção de terceiro acrescentada ao NCPC? O amicus curiae e a desconsideração de personalidade jurídica.
08. A intervenção de terceiro é um instituto do processo que permite o ingresso de pessoas diferentes das partes na relação processual. A intervenção de terceiros pode ser classificada em típica ou atípica. O que é a intervenção típica? é aquela prevista como modalidades de intervenção: 1) assistência; 2) denunciação à lide; 3) chamamento ao processo; 4) incidente de desconsideração de pessoa jurídica; 5) amicus curiae.
09. A intervenção de terceiro é um instituto do processo que permite o ingresso de pessoas diferentes das partes na relação processual. A intervenção de terceiros pode ser classificada em típica ou atípica. O que é a intervenção atípica? Exemplifique. A intervenção atípica encontra-se esparsa no NCPC e não recebe esta denominação. Ex.: Embargos de terceiros, recurso de terceiro prejudicado, concurso de preferência.
10. A intervenção de terceiro é um instituto do processo que permite o ingresso de pessoas diferentes das partes na relação processual. A intervenção de terceiros pode ser classificada em espontânea e provocada. Em que consiste a intervenção espontânea? É aquela em que o terceiro pede para ingressar no processo a pedido. É o que ocorre em relação à assistência e com a figura do amicus curiae.
11. A intervenção de terceiro é um instituto do processo que permite o ingresso de pessoas diferentes das partes na relação processual. A intervenção de terceiros pode ser classificada em espontânea e provocada. O que a intervenção provocada? O terceiro é provado pelo réu ou autor a ingressar na demanda, pois ele poderá sofrer os efeitos da sentença. Ex: denunciação da lide, chamamento ao processo e incidente de desconsideração da personalidade jurídica. O amicus curiae pode também
12. A intervenção de terceiro é um instituto do processo que permite o ingresso de pessoas diferentes das partes na relação processual. A intervenção de terceiros pode ser por inserção ou por ação. O que significa a hipótese de inserção? É aquela que ocorre dentro da mesma relação jurídica processual primitiva. Por exemplo, no caso da assistência, o assistente ingressa na mesma relação jurídico-processual.
13. A intervenção de terceiro é um instituto do processo que permite o ingresso de pessoas diferentes das partes na relação processual. A intervenção de terceiros pode ser por inserção ou por ação. O que significa a hipótese de por ação? A intervenção de terceiro se dá por intermédio do ajuizamento de uma ação pelo terceiro ou contra ele. É o caso de denunciação à lide.
14. Entre as modalidades de intervenção de terceiros temos: assistência, denunciação à lide, chamamento ao processo, inc de desconsideração de PJ e amicus curiae. Em que consiste a assistência? É a modalidade de intervenção na qual o terceiro que tiver interesse jurídico na vitória de uma das partes poderá requerer a sua entrada no processo, na condição de assistente.
15. A assistência é uma das modalidades de intervenção de terceiros. Em regra, o que o terceiro deve demonstrar ao juiz para ser aceito como assistente? demonstrar o seu interesse jurídico provando para o juiz que tem alguma relação jurídica com as partes do processo e a depender do resultado, esta relação possa atingida.
16. A assistência é uma das modalidades de intervenção de terceiros. O que se entende por assistência da União decorrente de intervenção anódina? Há deslocamento de competência? É a intervenção que a União realiza, sem interesse jurídico, quando a demanda envolve autarquias, funds púb, SEM e EP para esclarecer questões de fato e de direito. Se o processo estiver na justiça estadual não haverá deslocamento para a justiça federal
17. A assistência é uma das modalidades de intervenção de terceiros. Em que fases pode ser admitida a assistência? A assistência será admitida em qualquer procedimento e em todos os graus de jurisdição, recebendo o assistente o processo no estado em que se encontre.
18. A assistência é uma das modalidades de intervenção de terceiros. Pode ser classificada como duas espécies: simples e litisconsorcial (qualificada). Em que consiste a assistência simples? É a hipótese tradicional que no quais o terceiro ingressa em juízo para auxiliar uma das partes em virtude de possuir interesse jurídico em sua vitória. Só há relação jurídica entre o assistido e o assistente.
19. A modalidade de intervenção de terceiros pode ser classificada em simples e litisconsorcial. Quais são os poderes e ônus do assistente simples? O assistente simples atuará como auxiliar da parte principal, exercerá os mesmos poderes e sujeitar-se-á aos mesmos ônus processuais que o assistido.
20. A modalidade de intervenção de terceiros pode ser classificada em simples e litisconsorcial. O assistente simples pode atuar como substituto processual do assistido? Sim. Sendo revel ou, de qualquer outro modo, omisso o assistido, o assistente será considerado seu substituto processual.
21. A modalidade de intervenção de terceiros pode ser classificada em simples e litisconsorcial. Na assistência simples, o assistido, titular da relação jurídica, pode dispor de seu direito sem anuência do assistente? Sim. A assistência simples não obsta a que a parte principal reconheça a procedência do pedido, desista da ação, renuncie ao direito sobre o que se funda a ação ou transija sobre direitos controvertidos.
22. A modalidade de intervenção de terceiros pode ser classificada em simples e litisconsorcial. Em regra, o assistente não pode discutir, em processo posterior, a justiça da decisão após o trânsito em julgado da sentença. Quais são as 2 únicas exceções? 1) se foi impedido de produzir provas no processo (em razão do estado em que se encontrava); 2) se desconhecia a existência de alegações ou de provas das quais o assistido, por dolo ou culpa, não se valeu.
23. A modalidade de intervenção de terceiros pode ser classificada em simples e litisconsorcial. O que ocorre com o processo que está na Justiça Estadual em caso de intervenção da União em que esta alega ter interesse jurídico? o Juiz Estadual deverá remeter os Autos para a Justiça Federal para decidir sobre o interesse jurídicos da União, de autarquia e de empresas públicas federais, sem possibilidade de ser suscitado o conflito de competência.
24. A assistência é uma das modalidades de intervenção de terceiros. Pode ser classificada como duas espécies: simples e litisconsorcial (qualificada). Em que consiste a assistência litisconsorcial? Considera-se litisconsorte da parte principal o assistente sempre que a sentença influir na relação jurídica entre ele e o adversário do assistido. Ação de condôminos contra o esbulhador de sua propriedade.
25. A assistência é uma das modalidades de intervenção de terceiros. Pode ser classificada como duas espécies: simples e litisconsorcial (qualificada). Qual a diferença entre assistência simples e assistência litisconsorcial? Na assist. simples, o assistente só tem relação jurídica com a parte assistida, enquanto na assist. Litis. o assistido tem relação jurídica com o assistente e o também com o seu adversário e por conta disso, atua como se fosse parte.
26. A assistência é uma das modalidades de intervenção de terceiros. Uma vez pleiteado o ingresso do assistente na ação, o que o magistrado fará? 1) rejeitar liminarmente o ingresso; 2) Intimar as partes para que, no prazo de 15 dias apresentem impugnação. Neste último caso, se a parte nada fizerem, estará aceita a assistência.
Created by: sigurd